Explorando possibilidades com acupuntura

A acupuntura propõe-se a tratar, além das dores, dos distúrbios funcionais ou fisiológicos, também as inadequações mentais, campo onde, nos últimos anos, se verificou um progresso espetacular. Uma das maiores utilidades da acupuntura é possibilitar um notável bem-estar físico e mental.

 O ser humano tem direito a levar (e deve levar) uma vida sadia, sem sentir dores, usufruindo a plenitude de sua força em todas as suas faculdades físicas e mentais. É cruel e injusto viver em condições precárias, com limitações, sofrendo dores e privações, sem que o organismo funcione com toda sua potencialidade, consumindo precocemente suas energias. Como resultado disso, a velhice chega mais cedo, com sinais insidiosos, porém evidentes: cabelos brancos surgindo precocemente; fragilidades ósseas e dentárias; doenças cardiovasculares em adultos jovens; perda gradativa da agilidade física e mental; diminuição da capacidade visual, com aumento exagerado de problemas de acomodação visual; alterações auditivas, com redução da audição e presença cada vez mais constante do zumbido como queixa nos consultórios e os equilíbrios emocional e mental frequentemente abalados.

 Normalmente isso não deveria acontecer. São as agressões do meio ambiente que levam a esses resultados. São as contingências da vida que obrigam o ser humano a criar para si condições ambientais que lhe acarretam essas consequências penosas. A falta de movimentação, a comida inadequada, excessos de sal e açúcar, o ar poluído, a água impura, os ruídos, a agitação; excesso de trabalho, de estudos (incluindo jornadas, congressos e viagens) as preocupações, os maus hábitos, a falta de postura correta, aumento dos períodos sem dormir e sem a reposição correta de sono; modo defeituoso de pisar, de sentar; a bebida alcoólica em excesso, a ingestão de gorduras animais, principalmente frituras; as condições de higiene, a contemplação de coisas sem arte e sem beleza, sem estética e sem moral – tudo isso constitui uma série de agressões que resultam em tormentos para a vida humana, reduzindo-a em qualidade e levando ao surgimento de uma velhice precoce. Na verdade, é a exposição do Jing – isto é: nossas essências vitais mais puras, que regulam as nossas vidas, que as deixam em péssimo estado de qualidade.

 A prática da acupuntura pode diminuir os danos provenientes dessas condições nocivas, por ser essencialmente uma medicina de prevenção e de manutenção da perfeita saúde e do funcionamento do organismo humano.

 Um dos pilares da Medicina Tradicional Chinesa é o conceito de energia ancestral e energia adquirida. O ser humano é fruto de uma carga genética herdada, mas também é fruto do o que come, ouve, vê, sente, conclui, cheira e prova. E esta malha energética da qual somos feitos interage constantemente com o ambiente, trocando energias, informações, hormônios, Qi…

No desenvolvimento, crescimento e manutenção de energia do ser humano são produzidos dentro do organismo tecidos, hormônios, líquidos orgânicos, sangue, medulas etc., que têm por matéria prima não só nutrientes físicos, mas também sensoriais e emocionais.

A noção do belo, da estética, do que é bom para o ser humano possui amplo repertório dentro da medicina chinesa, pois, para o médico acupunturista, é impossível dissociar-se disso na formação, controle e tratamento do mental. Música new age, música clássica, ambiente silencioso, incensos aromáticos são instrumentos de trabalho de quem quer tratar o mental do paciente, logicamente não esquecendo as agulhas.

Dinâmicas de grupo ou individuais como teishôs e dokusans também fazem parte do arsenal de controle e tratamento do mental.

Teishôs e Dokusans são práticas de dinâmica de grupo utilizadas pelos budistas, que visam abrir os horizontes da mente através da pedagogia que o próprio Buda utilizou com seus alunos.

Visto isto, pode-se perceber que a acupuntura possui um alcance muito mais vasto do que simplesmente inserir agulhas.

Dr. Paulo de Tarso Amorim